fev 27 2017

Núcleos de Quadrinhos Nação HQ: extrapolando as convenções

A Fundação Municipal de Cultural e a Nação HQ apresentam:
NÚCLEOS DE QUADRINHOS NAÇÃO HQ: extrapolando as convenções

Projeto FPC 140/2014

Lançamento da revista, dia 27 de maio – 15 horas – no Ateliê 50.
Oficinas nos centros culturais de maio a julho.
Programação gratuita.

Clique aqui e conheça o projeto: www.nacao.net/nucleosdequadrinhos.

dez 17 2013

Projeto de Lei do Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte é aprovado na Câmara

Atualização 15/05/17

Foi aprovado no dia 15 de maio de 2017, na Câmara Municipal de Belo Horizonte, por 37 votos a favor e um contra, o Projeto de Lei 842/2013, que transforma em lei a realização do Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte. O projeto agora segue para o Executivo, para sanção do prefeito Alexandre Kalil.

Conheça o histórico da tramitação:

Projeto de Lei nº 842/2013

“Dispõe sobre a oficialização do Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte – FIQ-BH e dá outras providências”.

Art. 1º Fica oficializado o Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte, FIQ-BH, a ser realizado bienalmente pela Prefeitura de Belo Horizonte, por intermédio do órgão municipal responsável pela área de cultura.

fiq-bh

Em junho de 2013, a Associação Cultural Nação HQ se reuniu com o Vereador Professor Wendel Mesquita (PSB) levando um pedido para oficializar o Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte (FIQ-BH), transformando o festival em Lei Municipal.

A sugestão da Nação HQ foi protocolado no dia 20 de junho de 2013 na Câmara Municipal de Belo Horizonte. O processo foi analisado e no dia 21/11/2013 virou Projeto de Lei nº 842/2013.

O Festival Internacional de Quadrinhos foi realizado pela primeira vez em 1999, após a III Bienal Internacional de Quadrinhos de 1997. O projeto teve a concepção da Casa XXI em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte (hoje Fundação Municipal de Cultura – FMC).

O FIQ é um dos grandes festivais realizado pela Prefeitura de Belo Horizonte, através da FMC. De periodicidade bienal, a edição do FIQ 2017 – está prevista no Plano Plurianual de Administração Governamental (PPAG 2014 – 2017) da PBH.

Com a oficialização, a Prefeitura de Belo Horizonte garante a realização do FIQ-BH bienalmente, fazendo dotação orçamentária própria e destinando recursos suficientes para garantir o padrão de qualidade, através de parcerias com entidades públicas e privadas.

Trâmite da PL 842/2013

08/07/2016 – Projeto aprovado em primeiro turno em 2016 (36 vereadores votaram sim / 0 não)
20/01/2017 – Suspensão e abertura de prazo para emenda
03/03/2017 – Retorno à tramitação
1
5/05/2015 – Projeto de Lei do FIQ é aprovado em 2º turno na Câmara e segue para aprovação do executivo


Essa é contribuição da Nação HQ para transformar o FIQ!BH, de uma ação cultural, para uma política pública voltada para a valorização dos quadrinhos. A criação da lei garante a continuidade do festival para além da décima edição.

Outras ações da Nação HQ para a valorização dos quadrinhos em BH são:
A inserção do Dia do Quadrinho Nacional no calendário oficial da cidade (Ex-vereador Paulinho Motorista);
E a aprovação, na 4ª Conferência Municipal de Cultural de Belo Horizonte, da proposta que pede a implantação de editais no FIQ!BH a partir de 2017.

 

mar 11 2017

Décima edição do FIQ em 2017 pode ter verba reduzida

No dia 7 de março de 2017 aconteceu a 55ª reunião Conselho Municipal de Política Cultural de Belo Horizonte – COMUC. Entre as pautas estavam a apresentação do calendário de elaboração do Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG) e a proposta de reprogramação orçamentária para o Exercício 2017.

No documento apresentado ao COMUC sobre a execução orçamentária para 2017, a Fundação Municipal de Cultura está colocando em discussão um repasse de 800 mil reais para a execução do 10º Festival Internacional de Quadrinhos. 

O valor é 125 mil reais a menos do que a edição de 2015, que contou com o repasse de 925 mil reais, além de outros recursos, como a venda de stands.

As discussões sobre o orçamento da cultura acontecerão dentro do COMUC, em reuniões que acontecem na primeira terça-feira de cada mês. E depois, este orçamento é enviado pelo executivo para a Câmara Municipal de Belo Horizonte, onde acontecerá nova rodada de debate.

ATUALIZAÇÃO 06/04/2017 – FIQ corre o risco de não acontecer

Em reunião pública realizada na quarta, dia 05/04, na Câmara Municipal de Cultura, na apresentação sobre o orçamento da FMC para 2017, o FIQ não constava na planilha de execução, correndo o risco de não acontecer em 2017.

ATUALIZAÇÃO 12/04/2017 – Confirmação

Na página oficial do facebook, último dia 12 de abril, a Prefeitura de Belo Horizonte confirmou a realização do FIQ.

No dia 28 de abril de 2017, a prefeitura confirmou a realização do festival no comunicado do conteúdo do Programa de Metas do Município, Gestão 2017-2020:

Cultura

• Aprimorar a qualidade dos serviços ofertados nos 17 Centros Culturais do município, valorizando as ações de formação, requalificando a acessibilidade e renovando a programação cultural nas nove regionais da cidade;

• Democratizar a cultura para a população de periferia, destinando 51% dos recursos de incentivo fiscal e do Fundo Municipal de Cultura para projetos que ocorram nos Centros Culturais de periferia, Teatros e Cinemas do Município, com utilização de mão de obra local;

• Ampliar a oferta de programação do Conjunto Moderno da Pampulha e entorno, garantindo exposições e atividades permanentes no Museu de Arte da Pampulha (MAP), Museu Casa Kubitschek e Casa do Baile;

• Garantir a realização de eventos culturais de destaque no município, dentre eles: Descontorno Cultural realizado anualmente; Festival Internacional de Teatro – FIT realizado em 2018 e 2020, Festival de Arte Negra – FAN realizado em 2017 e 2019, Festival Internacional de Quadrinhos – FIQ realizado em 2017 e 2019, Festival Internacional de Literatura realizado em 2017 e 2019 e Virada Cultural realizada anualmente.

jan 07 2017

Ofício: Implantação de edital no FIQ!BH a partir de 2017

No dia 6 de janeiro de 2017, a Nação HQ protocolou no gabinete da presidência da Fundação Municipal de Cultura (FMC) o pedido de implantação de editais de fomento direcionados aos artistas locais no Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte-FIQ!BH a partir de 2017, proposta aprovada na 4ª Conferência Municipal de Cultura.

No ofício, solicitamos o posicionamento oficial da FMC sobre o cumprimento deste compromisso pactuado na Conferência.

Assim que uma resposta for enviada atualizamos este post.

NAÇÃO HQ

4ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA DE BELO HORIZONTE

A 4ª Conferência Municipal de Cultura de Belo Horizonte aconteceu entre 21 a 23 de agosto de 2015, organizada pela FMC, conjuntamente com o Conselho Municipal de Política Cultural. A Conferência foi regida pelo decreto nº 15.961, de 15 de maio de 2015, com regimento interno regulamentado pela portaria FMC nº 051/2015, de 20 de maio de 2015, ambos publicados no Diário Oficial do Município de BH.

A conferência é um espaço destinado ao encontro entre Poder Público e população destinado a reflexão, discussão e deliberação sobre as principais questões do desenvolvimento e da sustentabilidade cultural de Belo Horizonte.

O tema desta quarta edição foi “A Cultura na vida do cidadão”, com subtemas “Participação, Cidadania e Controle Social” e “Sistema de Financiamento da Cultura – Diretrizes para o gasto público”.

“a 4ª Conferência Municipal de Cultura assume o compromisso com a sociedade, a partir do Plano Municipal de Cultura, de implantar um novo modelo de gestão que fortaleça a participação e compromisso da sociedade de forma permanente e institucionalizada.” (Caderno de referência da 4ª Conferência – FMC)

A Conferência foi dividida em várias etapas:

  1. Pré-conferências, com o caráter mobilizador e propositivo, que aconteceu nas nove regionais da cidade e em reuniões de segmentos artísticos;
  2. Conferência, onde as propostas das pré-conferências foram debatidas em grupos divididos por eixos temáticos. Nesta etapa novas propostas também puderam ser acrescidas no documento que foi encaminhado à Plenária;
  3. Plenária, teve como dinâmica a leitura de todas as propostas aprovadas pelos grupos temáticos, onde essas propostas foram novamente apreciadas no regime de votação de maioria simples dos presentes.
  4. Depois da Conferência encerrada, o documento seguiu para a FMC, que sistematizou, redigiu e publicou o relatório final.

PROPOSTA FEITA PELA NAÇÃO HQ

A Nação HQ participou de todo o processo da Conferência.

Na Pré-conferência da Regional Norte, apresentou a proposta de implantar editais de fomento direcionados aos artistas locais, para o FIQ a partir de 2017. A proposta teve apoio dos participantes, foi aprovada e incorporada ao documento encaminhado para a Conferência. Ela foi uma das 25 propostas aprovadas pela Regional Norte, que teve como resultado final 7,6% das demandas aprovadas.

A proposta foi incorporada ao documento no tema “Sistema de Financiamento: Diretrizes para o gasto público – Descentralização”, como proposta de número 56.

Debatido dentro sub-grupo da Conferência, a proposta foi aprovada com mudança de redação:

De: “Implantar editais de fomento direcionados aos artistas locais, para o Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte-FIQ!BH a partir de 2017.”

Para: “Implantar editais de fomento direcionados aos artistas locais no Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte-FIQ!BH a partir de 2017.”

A mudança de “para o” para “no”, fruto de debate, era para deixar claro que o financiamento para o edital viria do repasse financeiro da FMC destinado ao FIQ.

Aprovado pelo sub-grupo, a proposta seguiu para a Plenária, que reconheceu a legitimidade do pedido e aprovou a demanda.

O texto foi sistematizado pela FMC e aparece no documento do relatório final com o número 219, junto com todas as outras propostas aprovadas.

POR QUE O PEDIDO DE EDITAIS?

Os editais são instrumentos importantes por seu caráter transparente. Ele expõe regras claras e oficiais de participação que obrigatoriamente devem ser publicados com ampla divulgação; e proporciona igualdade de condições no processo de seleção, estimulando a livre concorrência. O julgamento é composto por uma comissão, proporcionando debates e diversidade na seleção. É um mecanismo de estímulo aos artistas e coletivos que buscam seu espaço no cenário cultural.   

Além disso, a ação é amparada no Plano Municipal de Cultura de Belo Horizonte 2015-2025 (PMC), lei 10.854 aprovada em 2015.

O artigo 1º da PMC, sobre A Política Cultural de Belo Horizonte, tem como desafio a ampliação de editais de fomento para todas as áreas artísticas e culturais.

O artigo 2º traz as diretrizes gerais para a FMC:

III – o aprimoramento do sistema de financiamento, ampliando-se e diversificando-se os recursos públicos, democratizando-se o acesso à política, promovendo-se a desconcentração dos investimentos em cultura;

IV – a promoção da formação continuada de artistas, grupos, pessoas, gestores públicos e sociais, assegurando-se e fortalecendo-se a cultura no Município;

VIII – a democratização da gestão cultural, com o fortalecimento das instâncias de participação e controle social para a formulação, a implementação e o acompanhamento das políticas públicas.

Como sugestão, o formato deste edital pode ser debatido dentro de uma comissão temática do Conselho Municipal de Política Cultural, com o acúmulo da experiência da FMC, que recentemente aprovou a nova da Lei de Incentivo à Cultura.

DE ONDE VIRIA O ORÇAMENTO?

Como defendido na Conferência, a proposta é que o orçamento para financiar o edital venha da própria dotação orçamentária do FIQ.

A edição de 2015 teve um orçamento de R$ 1.197.640,69, segundo dados oficiais da FMC.

O FIQ ainda aprovou projeto de Lei Estadual de Incentivo à Cultura – ca 0163/001/2014 – no valor de 400 mil reais. O valor captado foi de R$ 295.000,00 – sendo R$ 280.250,00 de incentivo e R$ 14.750,00 de contrapartida – junto à empresa Oi Movel S.A. Este recurso, que a princípio seria usado em 2015, devido a um problema de encerramento precoce de captação da Secretaria de Estado da Cultura, foi direcionado para 2016 para financiar o Encontro FIQ Lady’s Comics, o curso FIQ Jovem e a pré-produção do FIQ 2017.

Sendo assim, as ações da última edição do FIQ!BH somaram R$ 1.492.640,69.

Pressupondo que a FMC mantenha o mesmo patamar de investimento, mesmo que só a do repasse PBH/FMC, é totalmente possível um financiamento de incentivo aos quadrinistas de BH, bastando redirecionar alguns custos do Festival.


COMUC

No dia 03/02/2017, a Nação HQ enviou um ofício para o Conselho Municipal de Política Cultural de Belo Horizonte pedindo ajuda aos Conselheiros de Cultura para conseguirmos uma resposta da FMC.

Ofício 002/2017 – Comuc


Referências:

Plano Municipal de Cultura de Belo Horizonte – 2015 a 2025
http://portal6.pbh.gov.br/dom/iniciaEdicao.do?method=DetalheArtigo&pk=1151469

Relatório final da 4ª Conferência Municipal de Cultural
http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/files.do?evento=download&urlArqPlc=Relatorio_Estatistico_4CMC_30_11_2015.pdf

A planilha de prestação de contas do FIQ!2015 foi conseguida através da Lei de Transparência Pública, Manifestação nº 142825 – Ouvidoria-Geral do Município de Belo Horizonte.

A planilha de readequação da Lei Estadual de Incentivo à Cultura apresentada à Secretaria de Cultura, conseguida através da Lei de Transparência Estadual, Protocolo nº  01270.000030/2016-74 – Controladoria-Geral do Estado de Minas Gerais.

Página 1 de 3112345...102030...Última »