Nação HQ

A Associação Cultural Nação HQ é um coletivo composto por apaixonados por quadrinhos.

Além de atuar em publicações de revistas, entre os nossos objetivos estão a pesquisa de temas ligados às narrativas gráficas, a promoção de eventos para a valorização das histórias em quadrinhos e o trabalho para implantação de uma política de preservação da memória dos quadrinhos em Minas Gerais.

Histórico

Em 1991, um grupo de fanzineiros reuniu-se para criar o Mutanóides Associados, o primeiro zine digital de BH. Membros dessa iniciativa passaram a colaborar no cenário cultural da cidade. Em 1998, aconteceu a primeira atividade que trazia o nome Nação HQ, com a gravação do Documentário Nação HQ, na Feira Nacional de Quadrinhos, evento realizado no Shopping Norte, com a presença de jovens e veteranos quadrinistas.

Em 2001, o coletivo decide organizar o 1º Festival Nação HQ, na Escola Municipal Geraldo Teixeira da Costa, localizada na região de Venda Nova. Em 2002, volta a essa escola municipal para realizar a 1ª Mostra Nação HQ.

Depois, a E.M. Paulo Mendes Campos, região leste da cidade, recebe três eventos: o 2º Festival Nação HQ, em 2002; a 2º Mostra Nação HQ: Amostra Grátis, em 2003; o 3º Festival Nação HQ: Nação Convergente, em 2004.

O ano de 2004 marca a fundação da associação cultural. Em parceria com o Bahia Shopping, é implementada a Gibiteca Nação HQ e acontece nesse espaço o 4º Festival Nação HQ: Terra da Nostalgia. Em 2005, a Nação retorna à região de Venda Nova, com o evento Anime City, realizado na E.M. Geraldo Teixeira da Costa.

A partir de 2006, a Nação HQ introduziu, no calendário cultural de Belo Horizonte, a comemoração do Dia do Quadrinho Nacional – 30 de janeiro, data da publicação de Angelo Agostini, de 1869, considerada a primeira história em quadrinhos brasileira. Em 2011, a Prefeitura de Belo Horizonte reconhece a comemoração, ao sancionar a lei nº 10.071/11 e inserir a data no calendário oficial da capital mineira.

Nos últimos anos, trabalhamos pela valorização da linguagem dos quadrinhos, por meio de diversos cursos e oficinas realizados em escolas, centros culturais, bibliotecas públicas e no Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte.

A experiência com oficinas foi reconhecida no edital da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de 2014 e o projeto de criação de Núcleos de Quadrinhos Nação HQ selecionado. Os Núcleos ensinaram e publicou uma revista de 200 páginas de 21 alunos. Na fase de contrapartida, 14 atividades de lançamento da revista e oficinas aconteceram entre os meses de maio e agosto, reunindo um público de 258 pessoas.